MUDAMOS!!!

O Blog de L'Officiel Brasil está de casa nova.

Em nosso novo endereço você vai conferir posts de toda a redação.

Clique e confira.

http://blog.lofficielbrasil.com.br/

 



Escrito por Natália DOrnellas às 19h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Aprendendo com os franceses

Primeira lição: pescoção e pernão!


Sou fã de Maria Antonieta e Luis XIV, além de sobrinha-neta de Dior em meu mundo particular onde posso tudo. Por isso, respeito os franceses e estou sempre a serviço deles e de sua filosofia.

Assim, sempre me lembro da primeira visita de Marie-José Susskind-Jalou, a dona de L´Officiel, à redação brasileira do título há 2 anos. Divertida e cheia de savoir faire, Marie-Jose destrinchava o DNA da revista, sua linha editorial desde os tempos da fundação, quando saiu-se com a sentença que passou a nortear nossas vidas “Long legs and long neck”.

Desde então - e por intuição até mesmo antes disso -, passamos a analisar nossas modelos tendo sempre em vista o cumprimento das pernas (qto mais melhor) e do pescoço. Navegando pela blogsfera hoje cedo, minha fotógrafa-produtora Igi Ayedun deparou-se com uma imagem do backstage da Dior que retrata bem o olhar francês sobre aquilo que fazemos no dia-a-dia da profissão, criar imagem. Numa cartolina, de maneira bastante informal estavam os mandamentos para o show de alta costura que aconteceu na última semana. “Shapes fortes, poses maximalistas, chiqueria ao extremo”. A melhor parte: Dior está assistindo à tudo! 

Esses franceses!

 



Escrito por Natália DOrnellas às 15h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Atendendo a pedidos e para quem ainda não se deparou com o meu Michael de estimação, fotinhos de Aldine!

 

 

 



Escrito por Natália DOrnellas às 17h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Michael and Me

Aldine "Michael" Paiva


 

Sempre que olho para o lado aqui na redação fico pensando como seria Michael Jackson se ele não tivesse tentado ser diferente, se tivesse aceitado os caminhos da natureza, as características de sua genética beautiful black.

Sentadinho a poucos centímetros de mim está o Aldine Paiva, editor de moda de L´Officiel, e meu amigo (sim, posso chamá-lo assim) há bons anos. Aldine já não atende pelo nome de batismo há tempos, pelo menos quando estou por perto e estou quase sempre. Desde que o rebatizei de Michael, ele é chamado assim até pela nossa editora chefe e isso me causa verdadeiros embarassos, pois não consigo mudar a fita nem nos momentos mais formais quando a relação exige troca de cartões de visita. Quase sempre me pego apresentando-o a executivos e poderosos como Michael e tenho que retificar.

Michael, ops, Aldine sabe das semelhanças e se diverte com isso, embora confesse que nem sempre foi tão interessante e retumbante parecer-se com o Rei do Pop. Desde que o ídolo partiu dessa para Neverland, ele é abordado nas ruas pelos mais diferentes tipos de gente. A fala, no entanto, é a mesmíssima:  “Sabe que você é a cara do Michael Jackson”?.

Meu sonho é que ele se vista de Thriller um dia, ainda que seja para um ensaio de Carnaval aqui para o site, e faça Moonwak no corredor da revista para matar nossas saudades do Michael real. Tocado pelo momento de despedia, ele hoje disse que talvez um dia tope a parada, mas só se veste de Michael Jackson se Soninha Gonçalves (querida amiga e assessora de imprensa) bancar a Amy Winehouse no mesmo set. 

É com essas esperancinhas e delícias que a gente vai vivendo, enquanto o tempo passa tentando varrer lembranças e levar o coração. Michael Jackson não morreu e há várias perspectivas para isso. A minha é imagética, musical e emocional.

 

 

 



Escrito por Natália DOrnellas às 15h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Queremos ser Costanza!

foto: Igi Ayedun

Nunca me esqueço da fala de um amigo quando comecei a cobrir as semanas de moda. Divertido, ele queria explicar todo o mecanismo do setor e seus atores em poucas e espertas frases de efeito e se saiu com essa: “A Costanza é tão popular que virou uma espécie de Mickey na Disney dos fashionistas. Todos querem aparecer a seu lado”.

Lá se vão 6 anos e Costanza continua exatamente a mesma, apesar de cada vez mais chic e divertida dentro da sua elegância "avoadinha". Sempre que aparece, os flashs retumbam e os bloquinhos dos novos e dos antigos (fashionistas) se agitam atrás da mesma pergunta que ela responde sempre de outra forma e com uma gentileza rara, além de uma calma reconfortante.

Nunca me atrevi a clicar uma foto a seu lado, mas é com prazer que vou pedir um autógrafo no próximo dia 6, quando ela lança o terceiro livro da longa carreira, que adoro afimar ser a mais consistente da moda nacional.

"Confidencial, segredos de moda, estilo e bem-viver" revela as escolhas, preferências e opiniões que tornaram Costanza tão respeitada e admirada, o que segundo a editora Jaboticaba pode funcionar como um guia para quem a admira. Em tom de bate papo, o  livro é escrito em primeira pessoa e levou um longo tempo para sair do forno. É "Slow Fashion" à serviço dos fashionistas brasileiros!




Escrito por Natália DOrnellas às 15h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

 

 Marina? Não, Pier Mauá!


Um Rio visto de outro ângulo. Talvez mais organizado, formatado, um pouco menos efusivo e bem mais cinza, mas, de qualquer maneira, lindo. Esse é o panorama que se tem dos dois primeiros dias do evento carioca que chega à 15ª edição completamente reformulado.

Sob nova direção (agora é comandado pela InBrands, leiam-se Paulo Borges e Luminosidade), o FR deixou a Marina da Glória (sua segunda locação, pois começou no MAM) e seguiu para o Pier Mauá, no centro da cidade, região que vive um forte movimento de revitalização. Assim, as antigas tendas brancas foram substituídas por 3 amplos armazéns, o staff teve significativas alterações (saem de cena as meninas da Dupla) e,  claro, o cenário é outro, daqui se vê a Ponte Rio-Niteroi.

O evento que segue até a próxima quarta, dia 10, com 29 desfiles (sim, houve enxugamento de line-up, graças a Deus e a Paulo Borges!) foi aberto oficialmente com o desfile da Maria Bonita Extra e segue esquentando. Os atrasos estão suportáveis, as áreas de convivência lindas e a organização o melhor que se pode num momento de transição, mas confesso que ainda me perco entre os armazéns e que às vezes procuro o Aeroporto de Santos Dumont no horizonte ou até mesmo a Eloysa pelos corredores. Mas estou gostando, gosto do novo, do bom, do competente e acredito na iluminação da Luminosidade, no poder de bala da InBrands e na busca da coesão para a moda brasileira.

Só recomendo cuidado ao direcionar os taxistas. Muitos deles chamam o Pier Mauá de Cais do Porto e há os que ainda tentam nos levar para a Marina. Estão acostumados ao inverno passado!

 



Escrito por Natália DOrnellas às 19h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Moda - um assunto sério

 Nunca foi tão emocionante cobrir moda no Brasil. O assunto que há poucos anos era perfumaria nas redações, divertimento de suplemento dominical, está tomado outros rumos, ganhando a capa.

 Difícil dizer exatamente como e porque se deu essa mudança de valoração, mas me arrisco a afirmar que isso ocorreu quando os atores do tão incensado mundinho perceberam que moda é antes de qualquer coisa um negócio. E o divisor de águas pode ter sido a entrada de investidores nas grandes marcas há cerca de 3 anos (coisa que as casas européias começaram a fazer no final dos anos 1980).

 Em minha ainda breve história de trabalho, lembro de ter visto a moda ir para a capa em terras brasileiras quando a Zoomp foi comprada pelo Grupo I´M e quando a Daslu sofreu a primeira intervenção da Polícia Federal em 2005. Desde então, venho observando esses movimentos do mercado e me deparando com o assunto cada vez mais bem colocado nas prioridades da agenda jornalística.

Como todo mundo já sabe, os últimos meses foram de muitas manchetes. Fashion Rio passa para a mão da InBrands (leia-se São Paulo Fashion Week); Tufi Duek deixa a Fórum; Eloysa Simão assume Rio Summer e seus desdobramentos.

A notícia da saída de Amir Slama da direção da Rosa Chá, na última semana, não foi menos interessante e bombástica e, sim, estava lá no resumo da semana da Folha e até na Globonews, como matéria de negócios.  Em conversa por telefone com a redação de L´Officiel, Amir confirmou minha teoria de que a moda brasileira está virando gente grande. Contou que pretende sim abrir uma marca com o seu nome, mas que para isso pretende fazer um plano de negócios pois, até então, atuou intuitivamente.

A moda está ficando realmente muito séria! Que bom!

 



Escrito por Natália DOrnellas às 13h32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Minas é bronze

 


A coisa vem lá dos anos 80. Um mix de indignação com uma clara sensação de tempo perdido. Fato é que Minas passou as ultimas três décadas se ressentindo com  o crescimento da moda noutros estados, principalmente Rio e São Paulo, e se preparando para retornar ao cenário nacional depois de perder sua edição semestral do BH Fashion Week, extinto em 2001 (há quem não se conforme até hoje!).

Assim vieram o Minas Cult (um shake de Amni Hot Spot com sei lá o quê), o MaqTêxtil, o Imagine e eis que enfim surgiu  o Minas Trend Preview. Em sua quarta edição, o evento idealizado pela Federação das Industrias do Estado de Minas Gerias parece ter enfim recolocado nosso nominho no line-up brasileiro.

 Pesquisa feita entre os vários atores da cena (leiam-se jornalistas, compradores e expostiores) aponta o Minas Trend como o terceiro evento de moda nacional, depois de São Paulo Fashion Week e Fashion Rio, embora seja dificílimo comparar eventos tão distintos (antes da unificação eu não me atrevia a comparar São Paulo Fashion Week e Fashion Rio, vejamos agora).

Como boa bairrista que sou, fiquei superfeliz com a medalhinha de bronze! Será que agora a gente sobe a montanha? Notoriedade ainda que tarde!


 



Escrito por Natália DOrnellas às 21h19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Pehaps, pehaps, pehaps

 


 

Sete dias se passaram desde que bloguei falando sobre as especulações que cercavam o fashion brasileiro pós mudança de gestão do Fashion Rio.

De lá pra cá, o Rio Summer já confirmou parceria com Eloysa Simão (ex Fashion Rio) e a Firjan divulgou data (de 5 a 10 de junho) e lugar (Pierr Mauá) da edição de verão do Fashion Rio, mas as perguntas permancem no ar.


Cansada de ficar calada, “fazendo a Eloysa", resolvi questionar. Segue abaixo meu pequeno questionário fashion. Duvidas (e respostas) são bem vindas aqui:


- Afinal, quem vai desfilar, pois dizem que o line-up conta agora com 30 marcas apenas;


- Walter Rodrigues fica ou sai? Se é que vcs me entendem....;


- Quem vai ser a assessoria oficial do evento: Approach, PR Com ou nenhuma das alternativas citadas!?


- O Rio Moda Hype continua no pacote or not?


- Como vai funcionar essa história de Fashion Business rolando separado do Fashion Rio?


Sou só perguntas e esperança! E vc?

 



Escrito por Natália DOrnellas às 21h35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Quizás, quizás, quizás

 

Moda brasileira está mais pra canção popular cubana


 

Que o monstro do mau jornalismo me esqueça, mas o verbo da vez na imprensa de moda brasileira é especular.

 

Desde que a Firjan anunciou na última sexta a mudança de gestão do Fashion Rio só o que se faz na twitteresfera (incluam-se aí de conversas de botequim a sites sérios do setor) é gerar especulação.

 

Até agora já se falou (sem confirmação) que o evento mudaria de data, começando 2 dias antes; de local, indo para o Píer Mauá; de line-up, reduzindo o numero de marcas e conseqüentemente o tempo de duração, entre outras coisas que prefiro não publicar, pois sei bem o poder da palavra escrita.

 

A bomba fashion do fim de semana também vem do Rio, mas passa por São Paulo, Nova York, Londres, Milão  e onde mais existirem fashionistas jetsetters: Eloysa Simão (ex-Fashion Rio, que até o presente momento não se pronunciou sobre isso tudo) assumiria a gestão de moda do Rio Summer, leia-se Nizan Guanaes. Isso porque Nizan e Paulo Borges, o novo diretor criativo do Fashion Rio, andavam se elogiando publicamente na primeiro edição do evento, em novembro passado.

 

Da minha, parte estou "fazendo a Eloysa", calada, esperando pra ver. Sorry, caríssimos, mas não é hora de dizer nada muito sério! Pelo menos não eu!

 



Escrito por Natália DOrnellas às 19h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Poupe-se de Becky Bloom


Sempre acreditei que sobre filmes, livros e até pessoas a gente deve ter opinião própria, conferir pessoalmente, principalmente quando o assunto em questão gera multidões de partidários ou adversários.

Por isso, sempre que um grande sucesso de bilheterias chega aos cinemas faço questão de correr para a estréia. Foi o que fiz quando chegou a notícia de que "Delírios de Consumo" estrearia no Brasil este mês.

Como se tratava de um filme de mulherezinha, reuni quatro amigas e fui ao cinema no último final de semana. O longa produzido pela Disney é baseado numa série de  livros escritos por Sophie Kinsella, tem direção de P.J. Hogan e uma sinopse pouco promissora. Becky começa a trabalhar numa revista de finanças, embora seu sonho seja a Allete, uma publicação de moda; dá conselhos em programas de TV; entra para um grupo de compradores compulsivos anônimos e vive fugindo seus credores com desculpas estúpidas e uma certa dose de mal caratismo.

O resultado que poderia ser ótimo, divertido no mínimo, é desatroso. Isla Fisher é uma atriz ruim; as piadas não têm a menor graça, nem para quem entende inglês, e o figurino – a esperança do filme – é fraco, para não dizer cafona. Baseia-se em sobreposições complicadas que transformam Becky numa equivocada vítima da moda.  Além disso, Isla tenta, mas não segura peças de marcas como Balenciaga Marc Jacobs e Lanvin. Meu conselho? Espere chegar no Telecine!

 



Escrito por Natália DOrnellas às 13h07
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Miuccia, Galianno, Lagerfeld

 

Quem você gostaria de ver por aqui?

 


 

Sonhar não custa nadinha e, além disso, é um ótimo combustível para o fashion. Portanto, proponho que o leitor libere seus desejos mais secretos e diga, com essa maré de visitas importantes, qual o estilista top que poderia fazer a ponte e desembarcar no Brasil para a alegria dos sites, jornais, revistas e – por que não? – do twitter também.

 

So pra lembrar os últimos que deram pinta por aqui: Vivienne Westwood, Kenzo, Tom Ford, Francisco Costa, Valentino, os irmãos Dan e Dean da DSquared, Tom Ford e Christian Louboutin. Diane Von Furstenberg, a criadora do wrap dress, será a próxima, como o site já noticiou. Chega no próximo dia 16.

 

Quem você gostaria de ver ao vivo e que programa proporia a ele(a)? Acho Lagerfeld chiquérrimo, mas seria incrível tomar um sorvete de rosas do Arábia com o Galliano. Imagine!

 

 



Escrito por Natália DOrnellas às 13h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

 

Slow fashion

Cenas simples para um domingo lindo

 

Difícil carregar a mineirice sem ser uma bairrista chata, saudosista. Ronaldo Fraga é um que vive me dizendo que precisamos ser universais e que esse adjetivo “mineiro”, sempre antes do nome dele e do meu é coisa de gente que parou no tempo e - por que não? – um certo preconceito bobo do eixo Rio-Sampa sempre tão centralizador.


Mas tudo bem que se refiram a mim como aquela jornalista mineira! Não ligo, aliás, adoro e reafirmo meus votos sempre que vejo coisas como a que gerou esse textinho dominical.


Ia para a varredura do oitavo cd de coleção outono/inverno 2009 (sim, oitavo naquele dia!) quando me deparei com as imagens abaixo. Não. Elas não são o material principal de divulgação da coleção da Luiza Barcelos feito por Guilherme Cunha. São imagens do lookbook, do técnico, um material usado para divulgar as peças entre imprensa e lojistas e que muito raramente chegam ao grande público.

Essas fotos nasceram quando Marcinha Barcelos, um das proprietárias da Luiza, convidou o fotógrafo Juliano Arantes para acompanhar a feitura de sua campanha publicitária na cidade de Dom Silvério, interior de Minas e terra de dona Dorinha, sua saudosa mãe e fundadora da empresa.


Juliano, que é filho da adorável designer Mary Figueiredo (outra instituição mineira), pegou os sapatos e bolsas, que tb fotografou tecnicamente em fundo branco, e saiu encaixando em cenas simples do lugar, interagindo com a gente dali, sacralizando sapatos em altar de igreja e outras tantas deliciosas coisinhas.


Gostei tanto que resolvi dividir. São imagens lindas, puro slow fashion para um começo de semana singelo! Bom domingo para todos!  

 

 

 


 



Escrito por Natália DOrnellas às 14h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Daslu Gate

As opiniões são as mais diversas, mas fato é que o caso Eliana Tranchesi virou objeto de acaloradas discussões nos mundos real e virtual. Entre os diversos scraps e twitts recebidos me deparei com a seguinte mensagem no email.  

"Queridos amigos ,

Gostaria de convidá-los a se juntarem à corrente FREE ELIANA, um movimento que criei a favor da libertação e contra a condenação da nossa amiga Eliana Tranchesi. Podemos contribuir com força e energia positiva. Usem FREE ELIANA no status de vocês em redes sociais e coloquem o laço da esperança em seus blogs, perfis pessoais do MSN, Twitter, Facebook, Orkut, Hi5,  e outras redes sociais em que estiverem presentes.

Passem essa corrente para os amigos de vocês também. Agradeço muito o apoio de TODOS vocês.

Beijos,
Monica"*

* A remetente é Monica Mendes, RP internacional da Daslu.

Se o leitor quiser se manifestar, sou toda ouvidos.

 



Escrito por Natália DOrnellas às 15h33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Tenho provas incontestáveis de que o lookbook é o must have da temporada. Mas conto o milagre, sem revelar o santo (não adianta insistir)!

No final do ano passado, uma amiga fashionista se jogou na tradicional pesquisa de moda em Londres. Rodou pelas lojas de departamento, divertiu-se comprando modelagens bacanas e baratas na H&M e na Primark, mas foi na flagship da Prada que ela teve a chance da vida: levar para casa (escondido obviamente) o lookbook da coleção de rendas.

Acompanhada de uma assistente, ela distraiu a apática vendedora com perguntas em seu inglês quase inteligível enquanto a outra pegava o livrinho e colocava na última “it bag” do Marc. Terminado o papo saíram as duas correndo pela Bond Street sem olhar pra trás. Tinham em mãos, o segredo de Miuccia.

 



Escrito por Natália DOrnellas às 08h39
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog